fbpx

Olá, sou a Dani, tenho 32 anos e venho hoje compartilhar a minha história com vocês. Entre traumas e medos que não sei bem ao certo quando e como surgiram na minha vida, exames ginecológicos traumatizantes, tratamentos psicológicos, com psicanalistas, terapeutas, enfim…me deparei com o vaginismo. Sempre achei que tinha algo diferente, como um bloqueio, mas tinha certeza que após o casamento isso acabaria…grande engano! Me casei e lá estávamos nós na lua de mel (eu e meu amado esposo) e para a minha surpresa não tive o “desbloqueio” que tanto esperava, lá estava a “parede” que não permitia a penetração. A frustração só foi aumentando e eu percebia que meu esposo mesmo sendo muito compreensivo já estava ficando incomodado com a situação, até que no final do primeiro mês de casados tivemos a primeira penetração, no ato dei um grito de dor! Chorei muito, foi uma sensação horrível, até olhei no lençol para ver se havia sangue. Após este dia, comecei a me preocupar, pois se meu bloqueio era por ter relações antes do casamento, eu já estava casada e continuava do mesmo jeito, o que poderia ser? Comecei a fazer pesquisas e mais pesquisas sobre o tema, lia sobre dilatadores vaginais mas pensava comigo que jamais conseguiria usar aquilo, achava um absurdo! Meu esposo me falava que era apenas relaxar, que era coisa da minha cabeça, mas eu sabia que era algo a mais.  Já havia pesquisado sobre a Clínica da Dra Débora Pádua, mas ficava receosa de ter que viajar todo final de semana.Foi  passando o tempo e mais frustações.Até que tentei passar em uma consulta ginecológica (quem sabe dessa vez desse certo), a idade vai passando e o desejo de ser mãe começou aflorar em mim, até que passei nesta consulta, expliquei meu caso e qual foi a resposta da médica: “…para o papanicolau é só você relaxar bem…ah, vou te pedir um transvaginal!” Fiquei muito irritada, pensava comigo: qual a parte do vaginismo que ela não entendeu??? Neste dia, sai do consultório decidida a mudar a minha história! Foi então que me planejei e fui até a clínica da

Dra Débora. Fiz minha avaliação e para a minha surpresa me foram indicadas 10 sessões pois tinha vaginismo de grau leve, fiquei tão feliz!!! Achava que meu caso era o pior do mundo, acho que todas nessa situação pensam isso rs… Fui muito bem recepcionada, atendimento super discreto. Muito bem acolhida pela Dra Rose a quem só tenho a agradecer!!! Sempre muito delicada, paciente, compreensiva, me explicava cada detalhe e sempre me encorajava. Coloquei o tratamento como prioridade na minha vida, chegava em casa cansada e com afazeres, mas lá estava eu, fazendo todos os exercícios! Não aceitava que meu cansaço falasse mais alto e não aceitava que minha frustação perdurasse. Realizei meu primeiro

Papanicolau com a minha médica e tive minha primeira relação sem dor! Ao receber alta até chorei… é uma sensação indescritível!!! Tocar o sino é como receber um troféu de liberdade. Foi o melhor investimento da minha vida!!! Agradeço imensamente a Dra Rose, por ser esse ser iluminado e capaz de ajudar tantas mulheres, você é maravilhosa!!! Muito obrigada por tudo!!! Á todos da clínica, vocês estão de parabéns, espero que tenham muito sucesso sempre.  

E à você, mulher, que leu este depoimento até aqui e se identificou, meu conselho para você é que não desista! Persevere, corra atrás dos seus sonhos, vaginismo tem cura e você é capaz! Antes eu estava lendo os depoimentos e me encorajando a procurar tratamento, hoje posso garantir e encorajar você que está lendo que SIM, o tratamento traz resultados e você pode mudar a sua história! 

Seja feliz!!! 

#VaginismoTemCura#EuVenci

Agendamento

Deixe seus dados e entraremos em contato







    Local preferido de atendimento:

    Forma preferida de contato:

    Matriz - Clínica São Paulo

    Rua Borges Lagoa 913, 10º Andar – Sala 101 Vila Clementino – São Paulo, SP

    Expediente:
    Seg a Qui: 8h às 22h
    Sex: 8h às 21h
    Sábado: 8h às 18h

    © 2024 Clínica Débora Pádua - Todos os Direitos Reservados. Site com SEO Criação