Vaginismo ??? Isso é passado para ela !!!


Bom dia pessoal!!! Nada como começar o dia com um lindo depoimento de uma ex paciente. 

Ela tentou solucionar o problema sozinha, mas infelizmente não deu certo. Como já disse em outros posts, o uso dos dilatadores sozinhos muitas vezes não resolvem o problema, é algo que é necessário um profissional especializado, como os que temos aqui na Clinica, para superar o problema de vez.

A minha paciente, Parabéns pela determinação , seja  muito Feliz!!!!!! 😃❤

E parabéns a Dra Daniele, sempre mostrando que nossa equipe é imbatível contra o Vaginismo e outras disfunções sexuais!!!👊👊😁 

happiness

 

Olá!

É difícil acreditar que – finalmente – chegou a minha vez de dar meu depoimento.

Tenho 21 anos, estou num relacionamento há seis anos e meio e, há quase um ano, noiva. Minha história com o vaginismo começou quando eu tinha 18 anos. Havia decidido perder a virgindade com meu namorado, que assim como eu, também era virgem.

Antes de relatar minha experiência, preciso dizer que, antes de tentar, fui ao ginecologista. Ele me indicou um anticoncepcional e disse que, se eu não conseguisse, era pra voltar ao consultório com meu namorado. Até aí, tudo bem.

Tentamos, não deu certo. Eu senti uma pressão dolorida que não conseguia controlar. Achamos que era por conta do nervosismo, então resolvemos deixar para a próxima vez. Várias próximas vezes aconteceram e a pressão continuava, a dor parecia ainda maior. A cada tentativa parecia pior e, ainda que eu tentasse relaxar e ter controle, era impossível, pois a contração que eu sentia era involuntária. Em uma das vezes, meu hímen rompeu e eu acreditei que a dor que eu sentia antes era porque ele estava lá, mas como o rompimento tinha doído bastante, resolvemos deixar pra tentar outro dia. Tentamos de novo e também não conseguimos. Marquei ginecologista pra saber se estava tudo bem comigo, porque eu acreditava que era impossível que isso só acontecesse comigo.

Fui ao médico e meu namorado me acompanhou. O doutor me examinou e foi horrível porque ele introduziu um dedo e me machucou. Eu dei um grito por conta da dor. Ele me diagnosticou com um leve quadro de vaginismo dizendo que eu só precisava relaxar e que algumas taças de vinho ajudariam. Bom, como vocês podem imaginar, não ajudou.

Aí começou a bater a insegurança. “Só eu sou assim”, “por que tá acontecendo comigo”, “sou anormal”. Disse pro meu namorado algumas vezes que ele não precisava esperar por mim, porque não achava justo privá-lo de algo que queríamos, mas não conseguíamos por minha causa. Na minha cabeça a culpa era minha, então disse que ele poderia fazer com outra pessoa, embora ele tenha recusado. Como eu me sentia culpada, a falta de sexo começou a afetar meu relacionamento e essa foi a “saída” que eu encontrei. Desespero, porque eu não acreditava que havia uma cura.

Então comecei a pesquisar sobre o assunto. Encontrei o site da doutora Débora Pádua, mas estava com o pé atrás, mesmo lendo os depoimentos. E fui deixando do jeito que estava. Li em algum lugar que dilatadores vaginais ajudavam, então comprei o kit. São seis, consegui chegar até o quarto sem dor, mas ainda não conseguia ter relação. Então tentei evoluir pro quinto, que foi tão dolorido por eu ter forçado que cheguei a chorar por conta da dor. Foi assim que eu percebi que não teria jeito e que eu precisava fazer um tratamento. Conversei com meu noivo e não muito tempo depois, marcamos uma avaliação com a doutora Débora.

Contei todo o meu histórico para ela, que me examinou. A delicadeza dela foi tamanha que eu mal senti. Ela também disse que o meu caso era leve. Não segui o tratamento com ela por conta da disponibilidade na agenda, então marquei as consultas com a doutora Daniele Moreira, tão delicada e atenciosa quanto.

O resultado era sentido por mim há cada consulta, mas é preciso seguir a risca o que é pedido pela doutora. Como meu caso era leve, fui liberada para tentar na oitava consulta e consegui! Um mês e meio depois do começo do tratamento eu estava curada.

CURADA!

Depois de anos tentando, depois de inúmeras tentativas frustradas.

Se você sente dor durante a relação ou assim como acontecia comigo, não consegue a penetração, procure tratamento. Não acontece só com você, como talvez você pense. Você não está sozinha. O atendimento na clínica é maravilhoso e você se sente acolhida, além disso, o resultado é garantido.

Sexo com penetração e sem dor é possível sim! Eu consegui, então digo por experiência. Espero que o meu depoimento te ajude a tomar coragem, pois eu sei que é difícil, mas garanto, vale a pena.  😉