Dor na relação , isso não me pertence mais!


Olá pessoal!!

Hoje temos um depoimento muito especial, uma das pacientes do Projeto solidário sexo sem dor que tivemos na Clínica recebeu alta!

Já tivemos outros depoimentos do projeto, porém respeitamos na íntegra o caráter anonimo de cada um deles. Nesse porém ela decidiu compartilhar conosco como foi todo o processo e o tratamento.

Para nós da Clínica, são frutos sendo colhidos de uma iniciativa para ajudar outras mulheres! 

Parabéns a Priscilla pela determinação, que seu 2017 seja lindo!

E parabéns a Dra Rose, mostrando que a equipe da Clínica é dez!!!!

Oi eu me chamo Priscilla, tenho 24 anos e sou estudante universitária de fisioterapia

Minha história começou muito cedo, desde quando perdi minha virgindade senti uma dor horrível! Pensei que a dor fosse passageira até eu me acostumar com a nova fase em que eu estava vivendo, mas não foi isso que aconteceu.

Namoro a 5 anos e foi com esse namorado que eu perdi minha virgindade sempre senti dor, sempre. Eu cheguei a conversar com minha irmã sobre isso e ela sempre me disse que deveria ser totalmente ao contrário, isso começou a me preocupar.

Nem meu namorado entendia que dor era essa, certa vez fomos em um motel e eu por sentir dor não estava mais sentindo nenhuma vontade de ter relação, mas mesmo assim eu fui. Foi a pior relação que eu tive, fiquei com muitas dores depois por não conseguir me excitar e lubrificar meu canal suficiente.

Quando cheguei em casa comecei minha saga pela busca para saber o que era isso, pesquisei vários lugares por vários assuntos, foi então que em uma pesquisa vi um vídeo da Dra Débora Pádua falando sobre vaginismo, e que existia tratamento fisioterapêutico para essa disfunção, minha futura profissão. Fiquei super empolgada pra saber mais sobre isso, entrei em grupos de redes sociais, conversei com várias meninas que relatavam o mesmo problema q eu, todas me indicaram procurar uma fisioterapeuta mas na faculdade em que eu estudo não tem nada relacionado sobre esse assunto.

Meu convênio não cobria tratamentos na área de fisioterapia uroginecológica, e por estar desempregada não tinha como pagar. Comecei a me frustrar, como ia pagar um tratamento sem ter dinheiro?

Outro dia mexendo no facebook vi um post da Clínica da Dra Débora Pádua com um Projeto Solidário Sexo sem Dor para mulheres de baixa renda. Logo em seguida mandei um e-mail para saber mais informações e sobre como me inscrever, falei com a Vitória secretária da Clínica, que de forma muito atenciosa, me passou todas informações e eu consegui minha inscrição.

Logo fui chamada para uma avaliação para ser diagnosticada para ver se realmente era vaginismo. Chegando lá fui super bem recebida pela Dra. Rose Fraga, uma super profissional. Foi a primeira profissional que tive contato como fisioterapeuta. Em algumas sessões tive receio, achei que não iria conseguir ser curada, mas ela me mostrou como ser uma profissional competente, tenho um grande orgulho de ser tratada com essa profissional capacitada.

Hoje estou recebendo alta, estou curada! Tenho uma saúde sexual normal e saudável, graças a Deus!