Lua de mel complicada e a superação do Vaginismo!


Boa noite pessoal! Mais um depoimento de uma paciente que recebeu alta aqui na Clínica!

Essa menciona algo muito comum entre as pacientes com vaginismo, a tentativa frustada na lua de mel e a persistência da dor após várias tentativas. Conheça a história dela e como ela superou a dor na relação e como ela mesmo diz abaixo  “está curada” do vaginismo!

Parabéns querida!! Toda felicidade para você!!!!

Mais uma que a Dra Rose deu alta! Parabéns Rose!!!!

aerial_view_of_heart_shaped_tropical_island-wallpaper-1920x1080

Tenho 25 anos e sou casada há 1 ano e 09 meses.
Sou uma pessoa muito reservada, cresci em um lar evangélico, sempre tive no meu pensamento a ideia de perder a virgindade apenas com quem iria ser meu marido, isso não quer dizer que a igreja influenciou, nem a família, sempre via minhas colegas de escola namorando e se entregando, e após um tempo, o namoro não dava certo; eu não queria isso pra mim. Amadureci com essa ideia, só iria me entregar ao meu marido.
Com 23 anos me casei e, foi um prazer pra ele se casar com uma mulher virgem, foi tudo lindo, nossa festa de casamento, mas na noite de núpcias ……… começou a complicar, pensamos que fosse o nervosismo, minha mente ainda estava muito tensa com a festa e com toda correria daquele dia…. então, achávamos que na lua de mel, estaria mais relaxada e iria ser tudo perfeito; mas não foi.
Os dias foram passando e a situação piorando, meu marido nunca me forçou ou brigou comigo, sempre muito paciente.
Completamos 1 ano de casados e nada, nessa fase eu já estava muito desanimada, chorei varias vezes e ele sempre preocupado, pois percebia que eu estava mal, pesquisava sempre na internet sobre dor na primeira relação, e eu só achava isso: “dor na primeira relação? é normal…. depois passa”; mas tinha se passado mais de 1 ano e nada tinha acabado, o sofrimento era pior.
Até que um dia, li a palavra “vaginismo”, fui atrás e achei um vídeo da Dra. Débora Pádua, e o blog da clínica, foi um momento de felicidade, descobri o que poderia ter adquirido, mas também foi estranho pra ligar na clinica e saber sobre o assunto …. passei mais de 01 mês, lendo sobre isso e vendo os vídeos, sempre mostrando ao meu marido, ele ficou bem empolgado e me deu ânimo pra procurar ajuda.
Então, tomei coragem e liguei; o atendimento foi ótimo, fui tratada com muito carinho, isso me fez persistir e querer ajuda; marcamos minha avaliação para o dia 17 de março de 2016, fui bem tensa, os músculos do corpo todo estavam rígidos (rsrsrs); chegando lá fui atendida pela Dra. Débora Fraga e pela Dra. Rose Fraga, conversamos bastante, meu marido foi junto comigo e explicamos tudo que tinha se passado até aquele dia, a Dra. Débora fez a avaliação pelo toque, foi difícil, senti muita dor, até que ela disse que eu havia adquirido o vaginismo moderado, sendo necessárias 15 sessões de fisioterapia… dia 05 de abril iniciei meu tratamento com a Dra. Rose, ela, muito explicativa, atenciosa demais e muito carinhosa, afinal mulheres com vaginismo chegamos até lá com a auto estima baixa, nos achando inferior a todas as mulheres. Meu tratamento não foi fácil, tiveram dias difíceis, alguns dias com um pouco mais de dor, outros menos, mas a Dra. Rose e meu marido não me deixavam desistir; até que chegou o dia em que fui liberada pra passar na ginecologista, fui atendida pela Dra. Samara que me atendeu na mesma clínica, ela uma amor de pessoa, muito carinhosa e tirou todas as dúvidas que se passavam pela minha cabeça, conseguiu colher o papanicolau, finalmente havia conseguido fazer um exame ginecológico; nessa etapa estávamos na 14ª sessão.
Chegamos até a 15ª sessão, a Dra. Rose me liberou pra relação, foi muito bom, mas vem logo o pensamento, “sexo é dor”, senti um pouco de desconforto, mais nada que poderia me impossibilitar novamente de tentar, então a Dra. Rose me solicitou mais 02 sessões, pra me acompanhar e esse desconforto diminuir; fomos melhorando cada dia mais, o pensamento de dor e frustação foi indo embora, e deu lugar a felicidade, o sonho de engravidar daqui um tempo, foi ficando mais próximo da realidade, e somente coisas boas foram sendo atraídas.
Chegamos na 17ª sessão, dia 11 de agosto, e recebi minha tão esperada alta. Foi maravilhoso, a dra. Rose festejou junto comigo, cada conquista, meu marido sempre ao meu lado me apoiando e participando das sessões. Sou imensamente grata à Deus em primeiro lugar, que me deu a oportunidade de procurar e fazer um tratamento, sou grata a clínica que abriu as portas para cuidar dessas mulheres que sofrem desse problema, e a dra Rose, que foi quem esteve do meu lado durante esses 04 meses de tratamento, sempre me encorajando.
Hoje posso dizer que, me sinto completa como mulher e esposa.
No dia da avaliação achei que não teria solução pra mim, mesmo vendo os depoimentos de várias pacientes, na minha cabeça o vaginismo não tem cura, hoje falo sem medo: Tive vaginismo e estou curada.