Dor na Relação e Vaginismo são coisas do passado!


Bom dia pessoal! Nada como começar a semana com depoimento novinho!
Segue depoimento de mais uma paciente muito especial que nos mostrou que com tratamento e determinação, a superação da dor na relação veem naturalmente!
 
Parabéns! Obrigada pelo lindo depoimento !!! Felicidades !!!
Parabéns Dra Rose!!! Minha equipe é demais!!!
 shutterstock_5797837
Anjos existem?

A minha história é muito longa, mas vale muito parar alguns minutos para ler esse texto.

Cresci dentro da igreja e na minha casa o assunto sexo era totalmente proibido, até que um certo dia conheci meu grande amor, me entreguei de corpo e alma… Foi ai, que comecei a perceber que eu era diferente de muitas meninas… Sempre que minhas amigas falavam de sexo eu me sentia uma estanha, todas contavam suas historias e eu sempre me questionava “Pq só eu que sinto tanta dor’?

Como eu era muito inocente no assunto, um certo dia conversei com uma amiga e ela me disse que as dores eram normais pq fazia pouco tempo que eu tinha uma vida sexual ativa, foi ai que ela me disse que eu precisava fazer o exame papanicolau. Marquei o exame e fui fazer sem ter noção nenhuma de como era esse exame, chegando lá ao deitar naquela maca (sim, eu tinha pânico daquela mesa que tem nas salas dos ginecologistas). Comecei a sentir mt dor, meu corpo começou a suar, minhas pernas travaram e uma força enorme me obrigava a fechar as pernas. Achei tudo muito estranho e falei p a médica que estava doendo muito e ela simplesmente gritou ‘ Na hora de transar não sente nada e chega aqui e fica gritando ” ela continuou o exame e para minha tristeza sai daquela maca com a sensação de que tinha sido estrupada. Sim, sei que isso é forte.. mas foi isso que aconteceu sai sangrando, com vergonha e com uma sensação de culpa.

Fui para casa e não tinha com quem compartilhar, afinal na minha casa não tinha contado para ninguém. Procurei minha amiga e contei o que aconteceu e ela me disse; Nossa! Que estranho o exame é tao simples, pq aconteceu isso com vc? Foi ai que tudo foi ficando estranho, um certo dia uma amiga me perguntou se já tinha usado OB e eu respondi que não, fui colocar e quem disse que entrava? Ao colocar o OB comecei a tremer, as pernas ficaram duras e um medo enorme. Depois foi necessário fazer uma Transvaginal e aconteceu a mesma coisa, medo, tremor, suor, dor e vergonha. Fui em vários ginecologistas e nenhum entendia o que acontecia e sempre ouvia ‘toma um bom vinho e relaxa’, eu ficava irritada qdo me falavam isso. Como assim ficar bêbada para ter relação? Eu não aceitava essas dicas e procurava outro, até que um dia uma médica me disse que eu tinha endometriose e por isso sentia dores. Fiz vários exames, aguentei muita dor achando que o problema era aquele e depois de 1 ano de tratamento nada tinha mudado.

Meu marido sempre teve muita paciência, não conseguia ter relação com penetração isso era impossível, sentia dores insuportáveis, parecia que tinha uma faca entrando dentro de mim as minhas pernas ficavam duras, parecia que estavam travadas e não suportava nem o dedo. Tudo foi ficando complicado, eu não me sentia mulher, não conseguia ter relação, não fazia exame e nem um OB eu conseguia colocar.

Foi ai, que assistindo uma reportagem ouvi falar sobre vaginismo. Fui até um centro especializado em vaginismo e pela primeira vez na vida encontrei mulheres iguais a mim, comecei a conversar enquanto esperava ser chamada e os relatos eram iguais. Fui diagnosticada e precisava fazer o tratamento, mas como o meu grau não era muito grave fique na fila de espera e nisso se passaram 2 anos, isso mesmo, 2 anos e nunca me chamaram. Até que esse ano fiz uma pesquisa na internet e encontrei o consultório da Dra. Debora Padua, confesso que cheguei sem fé, achei que era mais uma estrategia de marketing e que não existia cura.

Fui recebida com muito carinho pela recepcionista VITORIA (o nome dela já me animou rsrsrs) logo depois fui avaliada pela Dra. Debora Padua, conversamos e ela me explicou como seria o tratamento, tive que fazer 15 sessões, parecia um trabalho de formiga, aos poucos fui conseguindo enxergar a evolução. Comecei a perceber que os anjos existiam, e o meu anjo usava jaleco e no lado esquerdo do peito estava escrito ‘ Rose  Fraga’. Sim, a Rose foi fundamental para minha cura, cada encontro, cada conversa, cada dica eram essenciais para minha cura. Ela teve toda paciência, carinho e cuidado. Lembro que quando fui liberada para usar o OB ela me mostrou um OB, me indicou qual era o melhor e me ensinou como colocar. Quando coloquei o OB me senti tão mulher, pulei de alegria e só queria usar OB rsrsrsrs, depois fui liberada para o exame. Tive a sorte de ter uma ginecologista incrível Dra. Samara ela atende no consultório da Dra Debora e já sabia do meu histórico, conversamos, ela me explicou o que era o papanicolau e fiz o exame e não senti nenhuma dor, o exame que antes p mim duravam uma eternidade p fazer,com ela durou menos de 10 minutos e não doeu. Vibramos, e mais uma vez fiquei mt feliz… Depois fui para o maior desafio, relação sexual… Foi algo incrível, não falo na parte de sentir prazer sexual, falo na parte de se sentir mulher , pela primeira vez não senti dor, não travei e nem fiquei me sentindo estranha. Logo após a relação, chorei… mas era um choro de conquista, um choro por saber que eu estava curada, um choro de alivio, um choro por ter ao meu lado pessoas que me ajudaram e me mostraram que era possível.

Hoje estou curada, mas isso só foi possível  pq  EU sai da minha zona de conforto, eu entendi que mesmo tendo ao meu lado um marido incrível e paciente. EU precisava buscar a cura. EU tinha que fazer isso POR MIM! E foi por MIM que encontrei a CURA… ACREDITEI, LUTEI E VENCI e cheguei a conclusão que anjos existem, e acreditem, eles ficam lá no PARAÍSO! OBRIGADA a todo consultório da DRA. Debora Padua.