A distância não impediu que ela superasse a dor na relação!


Olá pessoal! Segue mais um depoimento de uma paciente muito querida atendida pela Dra Rose da minha equipe.

Ela mesmo morando em outra cidade, não desistiu, tomou coragem enfrentou a cidade de São Paulo e veio de longe sozinha fazer todo o tratamento direitinho!! Hoje ela recebeu alta e está livre da dor na relação.

Parabéns pela sua determinação! 

E parabéns a Dra Rose! Mais uma paciente feliz!

 

maxresdefault

Tenho 28 anos, sou casada e hoje posso dizer que me sinto completamente mulher!
Estou casada há um pouco mais de 1 ano, mas eu e meu marido namoramos durante 7 anos. Permaneci virgem durante todo esse tempo, não por escolha minha, mas porque todas as nossas tentativas acabaram frustradas, e eu também.

No início do namoro achávamos que era tudo normal, muitas amigas me relatavam que era dolorido mesmo nas primeiras vezes, por isso não me preocupei, porém, o tempo passava e a cada tentativa a dor persistia, era um martírio, uma coisa que deveria ser tão prazerosa se tornou um fardo pra mim. Tentava satisfazer meu marido de outras maneiras já que a penetração nunca foi possível, a impressão que dava é que existia uma barreira física em minha vagina, não conseguíamos fazer nada, absolutamente nada.

Nunca fui uma pessoa relapsa com minha saúde, me consultava regularmente com uma ginecologista mesmo sendo virgem. Quando tudo isso passou a acontecer relatei a ela, seus únicos conselhos foram: Você tem que relaxar! Tome um vinho! As primeiras vezes não são boas, mas é só agüentar firme que com o tempo vai melhorando. Me prescreveu até um gel Lubrificante, minto, vaselina…rsrsrs

As tentativas fracassadas persistiam. Eu trocava de Ginecologista , mas os conselhos continuavam: Você tem que relaxar! Quando for tentar prenda a respiração que os seus músculos não vão contrair! E NADA de dar certo. Em todo esse tempo eu nunca havia feito um exame ginecológico e com 28 anos eu fazia apenas ultrassom pélvico. Infelizmente muitos profissionais não estão preparados para lidar com esse problema. Nenhum médico sequer cogitou o VAGINISMO. Todos esses anos de sofrimento e de frustração, não só minha, mas de meu marido, poderiam ter sido evitados, se ao menos eu soubesse do que se tratava.

Pois bem, Deus me deu a luz (Me deu um marido maravilhoso Tb…não posso me esquecer disso…rsrsrs), e depois de muito pesquisar na internet descobri a existência do Vaginismo e que eu possivelmente sofria disso há todos esses anos, encontrei então minha luz, a Dra. Débora que juntamente com a Dra. Rose me ensinaram a completude de ser mulher!
Tratei logo de marcar um horário para fazer a avaliação. Só havia um único problema: a distância. Como eu iria toda semana até lá? Meu marido trabalhava longe, eu nunca havia ido até São Paulo sozinha, nem sequer andara de metrô, mas eu estava decidida, iria dar um jeito. Na minha primeira consulta pedi para uma amiga que conhecia mais ou menos a cidade que fosse comigo. Nessa primeira consulta conheci a Dra. Débora e a Dra. Rose, ambas me passaram imensa segurança, uma grande certeza de que tudo daria certo. Foi feita minha avaliação, fui diagnosticada com Vaginismo, precisaria de 15 sessões. Fiz a primeira sessão no mesmo dia, existia um horário na agenda logo em seguida, aproveitei a viagem…rsrsrs. Tudo era novo pra mim, o fato da Dra. ter conseguido introduzir o dedo e concluir a massagem já me fez transbordar de alegria, sai de lá acreditando com certeza que tudo daria certo, não existia outra possibilidade.

Durante as sessões seguintes, viajei até São Paulo sozinha (isso foi um desafio também, o que me ajudava é o fato de que a clínica fica bem próxima a estação de metrô, então não havia segredo algum para chegar até lá), pois meu marido não conseguia me acompanhar devido ao trabalho. Quem cuidou de mim foi a Dra. Rose (a Dra. Débora entrara de licença Maternidade), uma excelente profissional, uma pessoa do bem, pela qual criei um imenso carinho e um elo de confiança incrível (Sinto saudades dela, qualquer dia vou especialmente até lá só para tomar um café…rsrsrs). Fazia todos os exercícios em casa como ela me recomendava, não faltava um dia sequer, me dediquei, então a cada sessão era visível minha evolução, aos poucos fomos evoluindo com os dilatadores, a massagem era cada vez menos incomoda, até que conseguimos introduzir o eletrodo (transvaginal), depois conseguimos fazer o papanicolau (Fiz no consultório da Dra. Débora mesmo, com a Ginecologista Dra. Samara, uma excelente médica , cuidadosa, paciente e que eu quero como minha médica pro resto da minha vida…rsrs) e na minha décima quarta sessão conseguimos a penetração! Missão Cumprida!

Quando se tem profissionais preparados para te atender, que fazem do seu problema um problema deles, é incrível, o sucesso é certo! Agradeço imensamente a Deus por ter colocado todas essas pessoas de bem em meu caminho: Dra. Débora, Dra. Rose, Dra. Samara e Vitória! Que vocês possam ser a luz na vida de muitas e muitas mulheres, assim como vocês foram na minha!