Mais uma paciente que não tem mais o Vaginismo!!!


A cada nova alta que dou as minhas pacientes fico muito feliz!!!
Fazer o que amo e ajudar vcs é algo muito especial!!!

O-Que-e-a-Felicidade-12

 “Quantas vezes você vai na ginecologista e volta triste por não conseguir fazer o exame? Quantas vezes a gineco te fala, que isso é normal, e você triste, se achando estranha… foram várias tentativas.
Sempre me achando estranha e inferior, mas o pior mesmo é tentar ter relação e sentir dor. Cada dor, aumenta a vontade de não tentar, mas por outro lado sentia vontade de fazer amor, e não conseguia, era barrada por algo que nem sabia o que era… sofri, chorei várias vezes, meu namorado sem saber o que fazer e isso vai distanciando muito, porque ao tentar, já havia um bloqueio na minha cabeça dizendo, não vou conseguir, porque tentar? Para chorar no final? Para se machucar? Para ficar triste e deixar ele triste?
Casamos mesmo assim, pois nos amamos muito, e tentamos outras formas de fazer amor, mas sempre querendo “conseguir”, várias perguntas sempre passaram na minha cabeça, todas indignadas de saber que passei por várias ginecologistas e nenhuma conseguiu identificar o que realmente tinha (hoje posso dizer tinha!).
Li sobre esse bloqueio, sobre a dor na internet, fui atrás de outras ginecos já afirmando que tinha vaginismo, uma até me pediu para procurar um psicólogo, cheguei a agendar e não fui… meio que desisti, fui ficando mais triste, engordei, achava que não tinha cura e muitas vezes pensei que meu marido iria me largar e já até me preparava para um dia chorar por isso…
E no meio dos sites, das buscas, achei a Dra. Débora Pádua, pesquisei um pouco a vida dela, os comentários, o tratamento, pois não queria passar por tudo de novo (tentar fazer exames e voltar com um “é normal, na próxima conseguimos fazer”).
Com muita vergonha, resolvi agendar o horário com ela, e logo em seguida comentei com meu marido o que fiz, ele ficou empolgado e disse, que bom que esta correndo atrás de uma opção, espero que dê certo para nós!
Com muito medo, quase nem dormi a noite anterior, fui e chegando lá fui recebida por duas Dras. Déboras, e quem me avaliou foi a Débora Pádua. Quase não deixei ela fazer nada, praticamente conversamos, eu engolindo o choro, querendo passar a impressão que iria ser forte, e ela me avaliou agendando o tratamento. Fiquei com medo do que ela iria fazer nos dias de tratamento, e mesmo assim, fui em todas as consultas. Com minha evolução, utilizando e seguindo o método da Dra., fui liberada para tentar fazer amor e praticamente sem nenhuma expectativa, pois ainda não acreditava em mim, consegui fazer amor e sentir prazer, meu marido também, isso para mim foi único, inacreditável. Tentamos outras vezes e ainda estamos praticamente aprendendo a seguir com a melhor forma de sentir prazer e dar prazer.
Dizer que tem preço um tratamento desse, para mim, não tem… sofri tanto, chorei tanto por isso na minha vida, e se soubesse que a Dra. existia, já teria corrido atrás para me “curar”.
Não tenho como agradecer, acho que nunca terei, mas espero que com meu depoimento, outras mulheres que passam por isso, consigam criar coragem e força de vontade de mudar isso. Existe cura para o vaginismo e ela começa de nós mesmas.
Dra. Débora Pádua, posso dizer que existem muitos profissionais que estudam e não conseguem transmitir a calma, serenidade e paixão pelo que fazem. Ter conhecimento e conseguir transmitir isso de pessoa em pessoa é uma benção que poucos podem ter. Agradeço de coração o que fez por mim e o que sei que ainda fará para muitas outras mulheres. Muito obrigada!”