Um desafio vencido para ela e para mim!!!


Aqui esta o depoimento de mais uma paciente!
 
Ela foi um desafio muito grande para mim, isso mesmo, ela chegou em meu consultório com tanto medo e pavor que eu não sabia nem por onde começar. As vezes nós profissionais da saúde chegamos a duvidar se daremos conta do recado viu! Mas as sessões se passaram e ela foi melhorando a cada dia, foi evoluindo ao seu ritmo e eu fui ganhando sua confiança. Acho que ela pensou em desistir váaaaarias vezes, mas a coragem foi maior! 
Depois de 27 sessões dei a alta tão esperada!
Sem dúvidas ela foi um dos meus casos mais complicados até hoje, mas sua persistência foi fundamental, seu medo talvez um dos nossos maiores desafios, mas valeu a pena cada sacrifício!
Querida só posso dizer que sou sua fã! Se metade das pessoas tivesse o seu coração e sua persistência o mundo estarei bem melhor!!!
Beijo enorme e seja muuuuito feliz!!!
 
 
 
Tem algo que desde pequena eu fui ensinada a demonstrar. Empatia. Segundo o dicionário é o estado de espírito no qual uma pessoa se identifica com outra, presumindo sentir o que esta está sentindo. Para mim, é a simples ação de se colocar de verdade no lugar do outro. O que eu tenho a dizer é que você é mais do que uma fisioterapeuta. Aliás, fisioterapeuta é um termo muito simples pra tudo o que você representa na minha vida e na vida de tanta gente. Daí a empatia. Eu jamais vou esquecer da sua paciência, do cuidado com que trata suas pacientes e até com o que fala a cada uma (porque eu descobri que paciente com vaginismo é um bichinho complicado e muuuito sensível). Você me disse uma vez: “tem como mexer em alguém sem demonstrar o mínimo de carinho?”. A resposta é não. E você é quem mais sabe disso. Como precisei de carinho! Não aquele carinho comum como um abraço, uma palavra amiga. Mas alguém que entendesse que eu tinha medo. Alguém que soubesse que eu sentia dor, muita dor. Alguém que não me pré-julgasse, mas que dissesse “mas é claro que você vai conseguir”. Alguém em quem eu pudesse confiar que não iria me machucar, que sabia o meu limite, e que não tinha pressa, mesmo com a agenda abarrotada de mulheres achando que são as únicas no mundo a portar esse…incômodo chato! É assim que hoje eu encaro meu vaginismo, aliás, ex-vaginismo já que recebi minha tão esperada alta. =) Me sinto muito feliz por ter caído nas suas mãos mesmo sem ter a mínima ideia de quem você era. Foi muito triste descobrir meu vaginismo, mas um grande presente ser tratada por você. Serei eternamente grata a Deus por você existir e trabalhar com algo tão delicado e que tantas mulheres sofrem, muitas vezes caladas! Se eu pudesse te multiplicaria: Débora Dentista, Débora Gineco, Débora Enfermeira…etc. Mas fisioterapeuta já está de ótimo tamanho, você é, sem sombra de dúvida, muito boa no que faz. Eu sou um ótimo exemplo disso, não é? Está aí algo que não posso deixar de falar com orgulho: eu era um dos seus casos mais graves e estou curada!!! Parabéns pra mim por aguentar a dor e parabéns pra você que fez um trabalho sem igual!!! ;D Brincadeira =).
Querida Débora, obrigada por exercer sua profissão com tanta honra, com tanta dignidade. Você é uma excelente pessoa e uma excelente profissional. Aliás, eu sempre me perguntei: o que faz um profissional ser bom? A faculdade que faz? Os idiomas que fala? A coleção de viagens que possui? A quantidade de diploma que tem na parede?…Talvez! Mas todos esses requisitos não são nada se esse profissional não for humano. Isso é o que você é. Antes de tudo…

 

PS.: No começo do tratamento, lá pela 2a, 3a, 4a sessão, eu dizia pro meu marido “ai amor, to com medo de ir na fisio hoje”. Sabe o que ele me respondia?
“Medo????? Mas a Débora é sua amiga. Você não disse que ela era legal??” 😉