1


                                                          12 anos fugindo do marido

Recebi uma paciente que não queria ter sexo com o marido a 12 anos. Eles tiveram filhos e após o segundo ela passou a ter alguns desconfortos na relação. Quando tiveram o terceiro a coisa piorou muito.
Eles não tinham muito tempo para se curtirem depois de terem 3 filhos e o único momento que realmente estavam juntos ela queria fugir dele.
Ela dizia que sentia dor e tb não tinha muita vontade de transar com seu marido.
Segundo a paciente, ela não tinha tido relação com nenhum outro homem, mas disse que antes de engravidar   sentia prazer, mas que depois dos filhos a coisa mudou.
No exame físico verifiquei que havia uma mudança na musculatura e tb percebi que ela não passava nenhum tempo com o marido sem os filhos e que a conquista entre eles quase não existia.
* LEMBREM-SE SEMPRE – TODAS AS PESSOAS NO MUNDO QUEREM SER DESEJADAS*
Fui aos poucos realizando as sessões de fisioterapia uroginecológica e em pouco tempo eles foram capazes de ter a primeira relação sem dor, mas ainda faltava algo, pois meu objetivo inicial era que ela não tivesse dor, mas tb gostaria que ela sentisse tb prazer, pois ninguém merece ter relação sem sentir nadinha.
Fui tentando mudar a visão dela em relação aos sexo e o que poderia ser modificado ao se tocar, se sentir…
depois de alguns meses de tratamento ela recebeu alta, isso mesmo, ela conseguiu sentir prazer e o marido estava nas nuvens!!!

***Como é bom ver que nosso trabalho pode mudar a vida das pessoas!!!


One thought on “

  • Cyntia Ramos de Paula

    oi Flor, parabéns pelo blog e pelas informações.
    Eu me lembro que em um estágio que fiz uma paciente revelou que a dor que ela sentia durante a relação sexual era tão grande, que para não perder o marido ela fazia apenas sexo anal, e depois de começar a fisio em pouco tempo ela conseguiu ter relações "normais", eu fiquei tão emocionada olhando ela agradecer a minha professora, pois ela a abraçava e chorava muito, um sentimento de gratidão enorme. Fico imaginando a dor, a baixa auto estima, e a insegurança que essa mulher sofreu por anos, e tudo isso por falta de informação. Pena que eu não acompanhei o tratamento, mas nunca me esqueci daquela senhora.
    Então flor, estamos aqui um pouco longe, mas você poderia colocar também quais os métodos e parâmetros usados nos seus tratamentos, isso ia me ajudar demais. Pois estou apenas com a teoria aqui, e testando a prática ainda. Obrigada e mais uma vez parabéns.

Os comentários estão fechados.